terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Largo da Carioca

20/02/2018 - Marcelo Almirante

O centro da cidade sempre foi o ponto de conexão entre as linhas de bonde da Zona Norte com a Zona Sul. Inicialmente, ainda na época dos bondes de tração animal, todas as companhias tinham o seu ponto final na Rua do Ouvidor, principal via comercial e centro da vida social da cidade.

Com o passar dos anos, em função das ruas estreitas e com o aumento do tráfego, o ponto final dos bondes da Companhia Jardim Botânico, que explorava com exclusividade os bairros da Zona Sul, é transferido da Rua do Ouvidor para o Largo da Carioca, onde é construído um grande rodo para o retorno dos bondes. Mais tarde em 1892 é inaugurada  primeira linha de bonde elétrico da Companhia, entre o Largo da Carioca e o Largo do Machado.

No dia primeiro de setembro de 1896, a Companhia Ferro Carril Carioca inaugura a primeira linha de bonde elétrico para o bairro de Santa Teresa, ligando o Largo da Carioca ao Largo do França, iniciando também a passagem dos bondes sobre o Aqueduto da Carioca, ainda sem as telas de proteção. 

Terminal dos Bondes da Companhia Jardim Botânico no Largo da Carioca,  por volta de 1910







Em 1932 os bondes da Companhia Jardim Botânico, que cobriam os bairros da Zona Sul, transportavam cerca de 220 mil passageiros/dia, enquanto os bondes do bairro de  Santa Tereza transportavam cerca de  3.000 passageiros/dia. O bairro de Santa Teresa contava com 12 mil habitantes.

No dia 30 de outubro de 1933, é oficialmente inaugurada a nova estação inicial dos bondes da Companhia Ferro Carril Carioca, sob a marquise do Edifício Carioca, no Largo da Carioca.

Largo da Carioca em 1935

Em 1939 é inaugurado, no Largo da Carioca, o novo abrigo e ponto terminal dos bondes da Zona Sul, logo apelidado pela população de "Tabuleiro da Bahiana".

“O novo abrigo que substituiu a tradicional Galeria Cruzeiro, na sua função de estação terminal de todas as linhas de bondes da zona sul da cidade. É uma das mais recentes realizações da Municipalidade e veio beneficiar grandemente o público, resolvendo, com sua passagem subterrânea, o problema do trânsito nas ruas 13 de Maio e Bettencourt da Silva.” 

Revista Brasileira Illustrada, novembro 1939






Largo da Carioca em 1950

Tabuleiro da Baiana na década de 1950


Tabuleiro da Baiana, visto da rua Senador Dantas

Estação Carioca do Metrô em construção em 1976

terça-feira, 10 de agosto de 2010